Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta quinta-feira

FILE PHOTO: Jerome Powell, U.S. President Donald Trump’s nominee to become chairman of the U.S. Federal Reserve at the announcement event in the Rose Garden of the White House in Washington, U.S. on November 2, 2017. REUTERS/Carlos Barria/File Photo

Por Geoffrey Smith 

Investing.com – Jerome Powell traça a estratégia do Fed para o futuro, em meio a expectativas de manutenção das taxas de juros mais baixas por mais tempo. Os pedidos de seguro-desemprego semanais e uma revisão dos números trimestrais do PIB dos EUA darão uma verificação da realidade na saúde da economia. 

As ações estão em um padrão de espera, enquanto o petróleo ainda está bem sustentado enquanto o furacão Laura atinge a Louisiana e o leste do Texas. 

Aqui está o que você precisa saber sobre os mercados financeiros na quinta-feira, 27 de agosto.

1. Grande revelação de Powell

O presidente do Federal Reserve dos EUA, Jerome Powell, fará um discurso de abertura que deverá estabelecer as bases para uma política monetária fundamentalmente mais flexível em um futuro próximo.

Powell deve detalhar as conclusões de uma longa revisão da estrutura de política do Fed, e a maioria dos analistas espera que ele anuncie uma mudança para a meta de inflação média, segundo a qual o Fed deixaria a inflação ultrapassar sua meta atual de 2% para compensar anos de compreensão. Isso significa manter as taxas de juros mais baixas por mais tempo. A Bloomberg relatou na quarta-feira que isso pode significar que não haverá aumento nas taxas por até cinco anos.

LEIA MAIS: Com completa revisão de arcabouço, chair do Fed inicia difícil defesa de inflação mais alta

A especulação do mercado sobre a mudança contribuiu tanto para a recente fraqueza do dólar quanto para a força das ações, que normalmente desfrutam da perspectiva de dinheiro grátis para sempre. A presidente do Fed de Kansas City, Esther George, minimizou na quarta-feira qualquer ameaça à estabilidade financeira, dizendo que era mais importante focar na saúde de curto prazo da economia

2. Pedidos de seguro-desemprego e revisão do PIB são esperados

A saúde da economia estará em evidência novamente às 9h30 (horário de Brasília) – antes de Powell falar às 10h10 – com os números semanais de pedidos de seguro-desemprego e uma revisão dos dados do segundo trimestre para o Produto Interno Bruto .

Os pedidos iniciais de seguro-desemprego são esperados em cerca de 1 milhão novamente, ante 1,11 milhão na semana passada, enquanto os pedidos contínuos de seguro-desemprego devem ter caído em cerca de 400.000 para 14,45 milhões. Como sempre, o quadro mais completo estará no número que também inclui aqueles que reivindicam Assistência ao Desemprego Pandêmico.

Espera-se que o PIB seja revisado ligeiramente para apenas -32,5% em termos anualizados, de uma leitura inicial de -32,9%. Como argumentou o economista-chefe do UBS Global Wealth Management, Paul Donovan, em uma nota matinal, a prática de anualizar esses números “é uma coisa boba de se fazer nos melhores momentos e beira a loucura no meio de uma pandemia”.

3. Ações devem abrir em leve baixa, em padrão de espera

Os mercados de ações dos EUA devem abrir em baixa antes do discurso de Powell. Tendo comprado o boato de uma mudança para uma política monetária mais flexível, a tentação será, portanto, vender o fato quando isso acontecer.

Às 8h49, o contrato Dow 30 futuros caía 75 pontos, ou 0,3%, enquanto os futuros do S&P 500 caíam 0,3% e os {{8874|futuros do Nasdaq 100}} caíam 0,4%. Todos os três devem permanecer em um padrão de espera pelo menos até a divulgação dos dados econômicos.

É um dia tranquilo para os balanços, embora as ações da Abbott Labs (NYSE:ABT) possam chamar a atenção depois que seu teste rápido para Covid-19 se tornou o mais recente beneficiário da aceleração da Food and Drug Administration.

Para aqueles que se recusam a ignorar os detalhes menores, haverá também a pesquisa de negócios regionais do Fed de Kansas City às 10h e os dados de vendas de casas pendentes às 9h.

4. De volta ao normal nas relações EUA-China

Tendo superado a necessidade de dizer palavras agradáveis ​​em público sobre suas relações comerciais, os EUA e a China voltaram à luta diária de irritar e provocar um aos outro. Os EUA anunciaram uma série de sanções às empresas chinesas que ajudaram Pequim a construir instalações militares em ilhas disputadas no Mar do Sul.

Isso aconteceu no mesmo dia em que a China testou seus mais recentes mísseis de longo alcance “destruidores de aeronaves”, em uma demonstração de força destinada a manter os navios de guerra dos EUA fora das águas que almeja.

Além disso, a pressão dos EUA sobre o proprietário chinês do serviço de streaming de vídeo TikTok levou à renúncia do presidente-executivo da TikTok, Kevin Meyer, que havia ingressado há poucos meses vindo da Walt Disney.

5. Preços do petróleo caem enquanto o furacão Laura atinge a Louisiana

Os preços do petróleo permaneceram bem apoiados, mas depois começaram a cair, enquanto o furacão Laura atingia Cameron, Louisiana, com tempestades e ventos que ameaçam a vida.

Às 8h49, os futuros de petróleo dos EUA caíam 0,8%, a US$ 43,03 por barril. O Brent caía 0,6% para US$ 45,86.

Os contratos futuros da gasolina caíam 3%, a US$ 1,3205 por galão, em meio ao alívio de que as refinarias mais a oeste do Texas devem continuar funcionando.

Embora os estoques de petróleo e produtos ainda estejam historicamente altos, o relatório de quarta-feira do governo dos EUA mostrou que ainda estão caindo um pouco mais rápido do que o esperado.

Deixe uma resposta